Visualizações de dados sobre a covid-19

Lista com gráficos, visualizações e mapas interessantes sobre a pandemia de covid-19. Em atualização (última modificação em 27 de Abril).

What we can learn from the countries winning the coronavirus fight | ABC NEWS

Esta peça traz uma excelente introdução explicando como ler alguns dos gráficos mais utilizados durante essa pandemia. Em seguida, analisa o que países como Cingapura e República da Coreia fizeram para “achatar a curva” e o que correu mal em Itália e Estados Unidos. Em outro trabalho, ABC contextualiza a importância da taxa de crescimento de casos de um dia para o outro e mostra o atual variação em diversos países.  

Coronavirus: A visual guide to the world in lockdown | BBC News

Consequências das medidas restritivas ao redor do mundo são apresentadas em uma série de gráficos. A BBC também tem páginas dedicadas ao impacto da doença no Reino Unido e no mundo.

Coronavirus: A visual guide to the world in lockdown | BBC News

La carrera por aplanar la curva: del éxito de Corea al indicador italiano | El Confidencial

Após uma contextualização sobre a evolução da curva de novos casos na Espanha e em outras localidades com muitos infectados, este especial traz um infográfico interativo em que é possível comparar a curva da Espanha com a de outros países. O Estadão, a FSP e o NYT são alguns dos veículos que também desenvolveram ferramentas interativas para comparar a evolução nos casos de covid-19. El Confidencial tem outro especial mais focado nos casos espanhóis. Mas sobre o impacto do coronavírus na Espanha, este trabalho do El País é bem mais completo.

Si alguna autonomía adelanta la desescalada, que esté preparada para testar y rastrear | El País

Análise da evolução da epidemia nas comunidades autônomas da Espanha. É possível utilizar diferentes variáveis para comparar as regiões, entre elas o R0 (número básico de reprodução) de mortos e de casos. Falando em R0, há trabalhos do próprio El País e do Estadão explicando esse conceito. 

Monitor do novo coronavírus nos Estados | Estadão

Nessa página temos (1) detalhes sobre a evolução da curva de novos casos em cada estado do Brasil e (2) e um compêndio com as curvas de todos os estados do país.O Estadão também produziu uma peça focada nas microrregiões do Brasil.

Coronavirus tracked: the latest figures as the pandemic spreads | Financial Times

Os gráficos do John Burn-Murdoch com a evolução das mortes e com casos da doença são já um clássico, inspirando outros veículos e sendo discutido fervorosamente nas redes sociais. A página já é a mais acessada da história do FT e segue sendo atualizada com novos gráficos, permitindo outras leituras dos dados. Por exemplo, um streamgraph foi adicionado recentemente.

Coronavírus no Brasil | Lagom Data

Monitoramento da situação da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Destaque para os mapas com dados dos municípios. O G1 produziu uma linha do tempo com os casos confirmados em cada cidade do país. Falando em dados dos municípios, o Brasil.IO disponibiliza dados atualizados com os casos e óbitos confirmados pelas secretarias estaduais de saúde.

 

Consulte o risco de contágio do coronavírus na sua profissão | O Globo

Esta peça interativa mostra quem são os trabalhadores que correm mais risco de contágio por conta das funções que executam. É possível filtrar por área de atuação e pesquisa o índice de risco de contágio em mais de 2500 atividades profissionais.

Portugal a meio gás. O que mudou num país suspenso | Público

Este especial interativo mostra como o estado de emergência (decretado em 18 de março devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus) impactou diferentes setores em Portugal. Em uma abordagem parecida, o NYT explorou como a covid-19 mudou a forma como os americanos gastam e navegam na Internet, enquanto o FT mostrou os efeitos na economia mundial. A Google, por sua vez, lançou um relatório com dados sobre o impacto da pandemia de covid-19 na mobilidade e nos hábitos de usuários da empresa em 130 países. Em outras peças interativas, o Público mostra o risco de infecção e a evolução da doença por conselho.

Breaking the wave | Reuters

Após uma introdução explicando como ler os gráficos da peça, a Reuters apresenta a ‘onda’ de mortes em dezenas de países afetados pela covid-19. Em outro trabalho, a agência de notícias explica como uma única pessoa (possivelmente) transmitiu o vírus para cerca de 80% de todos os infectados na República da Coreia. E ainda: como a região da Lombardia, na Itália, foi brutalmente atingida pelo coronavírus.

Breaking the wave | Reuters

Tracking covid-19 excess deaths across countries | The Economist

Há muitas incertezas sobre o novo coronavírus. O real número de vítimas é uma. Muitas vezes a confirmação da causa da morte só ocorre dias depois. Por isso, The Economist resolveu acompanhar o “excesso de mortalidade” em alguns locais severamente atingidos pela covid-19. James Tozer explica melhor. NYT, FT e WPost também desenvolveram visualizações para acompanhar essa discrepância.

How the Virus Got Out | The New York Times

Especial do NYT explicando como a covid-19 se espalhou pela China e pelo mundo ainda em Janeiro. Em outra peça, o jornal mostra a subida vertiginosa de mortos na cidade de Nova Iorque no último mês. Há ainda visualização interativa da evolução da pandemia por região metropolitana nos Estados Unidos.

Why outbreaks like coronavirus spread exponentially, and how to “flatten the curve” | The Washington Post

O ritmo de contaminação por coronavírus é apresentado em 4 diferentes simulações nesse especial. Em menos de uma semana essa página se tornou a mais acessada na história do jornal. Após esse trabalho, Kevin Simler criou várias simulações interativas que ajudam a compreender como uma epidemia se desenvolve. A cobertura do WPost sobre o impacto da covid-19 nos Estados Unidos também é muito recomendável.

Why outbreaks like coronavirus spread exponentially, and how to “flatten the curve” | The Washington Post

Wie das Coronavirus nach Deutschland kam | ZEIT ONLINE

Essa peça mostra que, embora os primeiros casos de infectados com o Sars CoV-2 tenham ocorridos ainda em janeiro, é logo após o carnaval, no distrito de Heisnberg (que ficou conhecida como a “Wuhan da Alemanha”), que o número de casos explode na Alemanha. Há também uma página com a situação atual no país. Der Tagesspiegel também produziu um ótimo especial.

Wie das Coronavirus nach Deutschland kam | ZIET ONLINE

Por fim, Datawrapper e o Flourish estão criando visualizações sobre a covid-19 e Benjamin Ooghe-Tabanou, do Sciences Po médialab, desenvolveu um dos melhores dashboards para acompanhar o tema.

“A visualização de dados foi a melhor coisa que aconteceu para a infografia”

Semana passada, Pamplona recebeu a 21ª edição do Malofiej. A frase do título é de Jaime Serra, que abriu o evento. Ano passado ele foi eleito o infografista mais influente dos últimos 20 anos. Serra mostrou alguns dos seus trabalhos mais recentes (com visualização de dados) como Vida sexual de una pareja estable e Excéntricos.

Outra apresentação que teve como foco a visualização de dados foi a da Fernanda Viégas, que ressaltou a importância de mostrar os dados em toda sua glória e buscar sempre reduzir o tempo gasto pelo leitor para entender a proposta do gráfico. Viégas mostrou como funciona o Google+ Ripples, ferramenta que permite esquadrinhar o alcance de uma postagem na rede social, e o projeto Wind Map. Este último mapeia as correntes de vento nos Estados Unidos. Simples de entender e muito bonito.

O NYT foi o grande vencedor da 21ª edição do Malofiej, com sete ouros, um terço do total. No online, o jornal ainda recebeu várias pratas e bronzes. Um passeio. Mas assistindo à palestra do Graham Roberts percebemos que no online poucos estão no nível do jornal americano. Dentre os prêmios, Snow Fall levou o de formato mais inovador, Lolo Jones, cleared for takeoof o principal prêmio para a internet e o especial sobre Olimpíadas recebeu outro.

Quem também falou de infografia interativa foi Wilson Andrews, que apresentou os trabalhos realizados pelo Washington Post durante as eleições americanas de 2012; Stefanie Posavec, que deixou todo mundo boquiaberto com seus lindos infográficos feitos sem programação; e os holandeses Frederik Ruys e Jan Willem Tulp. Tulp mostrou os seus trabalhos recentes, destaque para o que traz a distribuição dos votos pelas cidades holandesas após as eleições de 2012. Ruys, por sua vez, explicou como foi a coleta dados e as soluções visuais encontradas para apresentá-las no programa “Nederland van Boven“.